Na última quarta-feira tive a honra de assistir ao vivo o bate-papo da ex primeira-dama
americana Michelle Obama no Inbound, evento que aconteceu em Boston semana
passada.
Eu era uma das pessoas na plateia que a aplaudiram de pé quando chegou. Eu não sou
americana, ela não foi minha primeira-dama, eu não votei no marido dela. Mas ela é uma
mulher incrível, com uma presença política e social muito importante mundialmente e é por
isso que eu vim contar as 3 coisas mais marcantes dos 60 minutos que a escutei em
Boston.

#1 Você é mais do que seu cargo. Ou o cargo do seu marido
Ouvir a Michelle Obama falar isso foi impactante porque imagina quantas pessoas se
estivessem em seu lugar passariam o resto da vida apresentando-se como "ex primeira –
dama"?
Pois é, mas a gente precisa estamos sempre lembrando que nós somos mais que nossos
cargos profissionais. Nós somos mais que um título em um crachá. Tem muita gente
inclusive aqui no LinkedIn que precisa lembrar cargos não eternos e não traduzem nossa
essência.
Michelle pontuou isso muito bem ao lembrar que antes de primeira-dama ela era uma
advogada de sucesso, uma esposa, uma mãe de duas meninas. Ela é uma pessoa além de
um status político.
Foi um "tapa na cara" ouví-la dizer que não, não sente saudades da Casa Branca. Que
foram 8 anos intensos, mas que acabaram e que ela volta a ser quem ela era antes – e que
ela não precisa lembrar ninguém de quem ela era antes. Essa mulher é muito empoderada,
gente. É demais a firmeza e a educação com que ela diz isso.

#2 As barreiras nunca acabam
Uma das coisas que nunca tinham passado pela minha cabeça mas que é um fato muito
óbvio é que quem foi eleito como presidente dos Estados Unidos duas vezes foi o Barack
Obama, não a Michelle.
Ela disse isso justamente para contar que ela não tinha o poder dele, a equipe dele, os
votos dele. Ela era sua esposa e cabia a ela usar aquela posição para o bem (você pode
ver alguns dos feitos de Michelle Obama aqui). Mas ela disse isso justamente contando que
as barreiras que ela enfrentou eram cada vez maiores e que isso acontece com todo mundo
o tempo todo.

Mulheres sofrem isso por culpa do machismo, homens sofrem isso pelas competições e
pela cobrança que nós como seres humanos recebemos todos os dias. Precisamos ser
mais, precisamos ser melhores.
Se antes ela precisava se superar como primeira-dama, agora as pessoas esperam que ela
se supere ainda mais. E ela disse que agora busque os "limites baixos". Ou seja, pelo que
eu entendi, ela quer viver para ser feliz mesmo. Está escrevendo um livro, participando de
eventos como o Inbound, dando entrevistas…
Isso me fez pensar em como sempre queremos provar sermos mais, sermos melhores.
Imagina ter que provar ser ainda melhor do que ela foi nos últimos 8 anos para uma
sociedade tão exigente quanto a americana?
E uma frase foi muito marcante. Michelle disse que os períodos nebulosos são os de maior
crescimento. Que não devemos fugir deles e sim abraçá

#3 Empatia é o caminho
Quem me conhece sabe o quanto eu bato na tecla de que devemos ser empáticos. O que
aquela pessoa está passando? Por que não devemos tratar alguém mal sem saber a
realidade que ela vive?
E Michelle Obama falou exatamente sobre isso, sobre como tratava sua equipe desde a
época de advogada com empatia, sua equipe que cuidava dela enquanto primeira-dama.
Afinal, eles eram as pessoas mais próximas dela.
E isso serve para qualquer um de nós. Quantas horas por dia passamos com quem
trabalhamos?
Você se dá ao trabalho de tentar entender um pouquinho da realidade daquela pessoa fora
do ambiente de trabalho, justamente para entender quem é ela enquanto profissional? Eu já
trouxe um texto abordando esse assunto há alguns meses, você pode ler neste link.
Além disso, Michelle Obama ainda contou como ela e o marido tentam passar esses valores
para as filhas, justamente porque elas são abordadas diariamente por dezenas de pessoas
e precisam ter calma, paciência e claro, empatia.
A conversa da repórter Roxanne Gay com Michelle no palco do Inbound foi muito
inspiradora. Entre tantos assuntos elas falaram, claro, sobre a eleição de Donald Trump e o
futuro do país.
Michelle Obama me cativou e me passou sinceridade em tudo o que ela falou para a plateia
de 21 mil pessoas. Outras palestras me marcaram muito na última semana em Boston e
posso dividir com vocês nos próximos conteúdos! O evento foi incrível e espero
compartilhar mais dessa experiência aqui no LinkedIn.

 

There is 1 comment
  1. Emily Wright

    Leverage asylum diversity.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *